O nosso Djarfogu virtual almeja ser o ponto de encontro de foguenses e amigos di Nós Stimadu Djarfogu independentemente da simpatia político-ideológica, credo ou outro elemento que nos possa diferenciar neste rico, maravilhoso e latente universo cultural foguense que se estende de Ladjeta, tâ pasâ pa Praia, Europa, tê Merka.
mais

Participe e dê o seu contributo nos debates deste Fórum.

entrar

Qual é a sua opinião sobre a ideia do Projecto Portal da Ilha do Fogo?
 
A MANDUCO... – Crónicas de Pedro Cardoso criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
Classificação: / 4
FracoBom 
Escrito por Administrator   
09-Mar-2007

A MANDUCO... – Crónicas de Pedro Cardoso  

O trabalho, a sair brevemente pelo Instituto da Biblioteca Nacional e do Livro, cuja organização e notas são da autoria do antropólogo Brito-Semedo, consiste na edição em livro das crónicas do jornalista e político Pedro Monteiro Cardoso (Fogo, 1883-1942). Os textos, que datam dos inícios da República Portuguesa, são testemunhos eloquentes do papel desempenhado por este escritor e intelectual na luta pela dignidade dos filhos da terra e pela autonomia das Ilhas. A edição das crónicas de Pedro Cardoso representa o sacudir o pó do tempo acumulado sobre esses textos, restituindo-lhes um pouco do brilho de uma época rica e importante para a luta política em Cabo Verde.

A Manduco... são, pois, 33 crónicas de intervenção cívica e política publicadas em 37 números do jornal A Voz de Cabo Verde (Praia, 1911-1919), na secção homónima, onde, durante três anos (1911-1914), Pedro Cardoso, aliás, “Afro”, das ilhas de S. Nicolau, Boa Vista e S. Vicente, zurziu e alimentou polémica sobre os mais diversos assuntos, da arborização, da estiagem e da fome, ao analfabetismo e à instrução pública, passando pelas questões do Nativismo, da Raça Negra e da autonomia da província, sempre em defesa dos interesses dos filhos das ilhas.Recorde-se que, no campo da política e do jornalismo, Pedro Cardoso assumiu-se como socialista, melhor dito, comunista, tendo sido um ardente defensor do continente negro e da dignificação do homem africano, usando nos seus escritos o pseudónimo “Afro”. Foi fundador, proprietário, director e editor do jornal O Manduco (Fogo, 1923-1924) e, juntamente com João Lopes (S. Nicolau, 1884-1979), foi responsável pelo jornal (socialista) Cabo Verde (S. Vicente, 1920-1921), tendo colaborado em vários outros jornais cabo-verdianos e portugueses.Pedro Cardoso tem ainda publicado os seguintes livros: Primícias (Lisboa, 1908); Caboverdeanas (Lisboa, 1915), Jardim das Hespérides (Vila Nova de Famalicão, 1926), Duas Canções (Lisboa, 1927); Algas e Corais (Vila Nova de Famalicão, 1928); Hespérides. Fragmentos de um poema perdido em triste e miserando, naufrágio (Vila Nova de Famalicão, 1930); Folclore Caboverdeano (Porto, 1933); Conferência no "Teatro Virgínia Vitorino" (Praia), em 30 de Dez. 1933 (Porto, 1934); Cadernos Luso-Caboverdianos. 3 volumes: (1) E mi que ê lha’r Fogo (Fogo, 1941), (2) Ritmos de Morna (Praia, 1942), (3) Sem Tom Nem Som (Praia, 1942); e Lírios e Cravos (Ermesinde, 1951).Por Decreto Presidencial N.º 3/95, de 2 de Fevereiro, Pedro Monteiro Cardoso foi agraciado, a título póstumo, com o Segundo Grau da Ordem do Dragoeiro. 

Comentarios (1)Add Comment
Ola Treta Avo
escrito por Bruno Rosa, Junho 22, 2008
Uns dos orgulhos da familia..

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley

Copyright 2007. All Rights Reserved.
busy
 
 


Investir na Ilha do Fogo


Consulte aqui o seu email: nome@fogo.cv

entrar

Publicite aqui
Publicite aqui
Publicite aqui

copyright © 2017 Portal da Ilha do Fogo
Home