O nosso Djarfogu virtual almeja ser o ponto de encontro de foguenses e amigos di Nós Stimadu Djarfogu independentemente da simpatia político-ideológica, credo ou outro elemento que nos possa diferenciar neste rico, maravilhoso e latente universo cultural foguense que se estende de Ladjeta, tâ pasâ pa Praia, Europa, tê Merka.
mais

Participe e dê o seu contributo nos debates deste Fórum.

entrar

Qual é a sua opinião sobre a ideia do Projecto Portal da Ilha do Fogo?
 
EXPECTATIVA DO PROGRESSO criar PDF versão para impressão enviar por e-mail
Classificação: / 0
FracoBom 
Escrito por Lucilio Alves   
09-Fev-2010

Temos uma falsa idéia de Progresso, e achamos que tudo que é moderno é melhor, tudo que é novo vale mais, e tendemos a uma espécie de desprezo ao que é antigo, sendo esta a mentalidade positivista de 'Ordem e Progresso', marca do século XIX em diante.

A expectativa que temos do progresso é de que ele deveria estar a serviço do homem para conquistarmos estabilidade, paz de espírito, um mínimo de segurança e aquilo que sempre almejamos – o sentimento de liberdade e de respeito que todos merecem, não importando a crença, a cor ou a origem. O que mais se quer é o direito de ser respeitado na sua natureza e essência, não importa de que modo seja, ou que crença tenha desde que isso não coloque o outro em risco ou sacrifício – e é exatamente isso que se vê ameaçado.   


Há coisas que não se medem pelo progresso; são valores eternos e isso se chama Ética, diferente de moral, pois esta se refere aos costumes. A Ética diz respeito a um estado de alma no qual o direito natural cósmico – parafraseando Sófocles, em sua já citada peça Antígona, escrita há 2.500 anos – de nascer, viver e morrer com dignidade e honra – deve permanecer intocável, e isso vale pra quem quer que seja.
   


Quando falamos da Natureza Humana, transcendemos as discussões filosóficas ou psicológicas; temos de abarcar o plano da existência, e esse plano não conhece progresso, pois é eterno.
   


Os Estados Modernos não são do homem para o homem; são Estados para a economia, a produção e o trabalho, na ilusão de que uma economia competente e eficiente tornará o homem feliz. Defrontamo-nos aqui com uma ingênua falácia; jamais a economia trouxe a felicidade. Claro que a miséria também não traz, não há dúvida, mas não é a riqueza que proporciona uma vida plena.
   


O que está acontecendo com a Natureza Humana? Ela está sendo agredida a tal ponto que não consegue mais o mínimo de realização e, quando retrocedemos no tempo, vemos que na história da Antiguidade houve uma época na qual a reflexão sobre o homem procurou desvendar essas questões, ou seja, estudou a natureza humana, tentou compreendê-la em sua essência e construir uma civilização em razão dela e não contra ela. Esse é o caminho que devemos recuperar.
   


O fato é que a condição humana foi esquecida, supondo-se que se aprendesse bem aquele sem-fim de disciplinas (o pretenso conhecimento racional), e caso se desse bem com computador de sua preferência, também a sua vida estaria resolvida. Mas não se resolveu nada. O enigma da existência continuou igual pra todos, e ainda não sabemos o que viemos fazer aqui e queremos fazer de conta que isso não é problema, afinal não nos perguntaram se queríamos nascer ou vir para este planeta.
   


O ócio, infelizmente, ganhou na Modernidade uma conotação de vagabundagem, de encher a cara ( beber, vida boa, curtição exagerada), de se largar, e, frequentemente, isso é verdade. Não que não possa fazer parte da vida esse tipo de alegria; o problema é que o homem moderno foi meramente educado para trabalhar como escravo. Com seu tempo livre ninguém lhe ensinou o que fazer – da mesma maneira age um cachorrinho quando permanece preso na coleira o dia inteiro e, depois de solto, fica ensandecido, correndo e quebrando tudo. O ser humano não é diferente e, se ele passa o dia no cabresto, quando se solta sai quebrando tudo, porque não sabe o que fazer com sua liberdade, com seu tempo livre.
   


A Escravidão Moderna é muito esperta; o nosso Estado conseguiu educar o homem de modo que ele fique feliz em ser escravo e se ache livre ao mesmo tempo. O consumismo é uma escravidão muito conveniente para o Estado, porque assim o homem não tem tempo para pensar no que é substancial, aprisionando-se no círculo vicioso de comprar mais e mais coisas (supérfluas na grande maioria), e trabalhar em dobro para pagar as contas e sobreviver. E assim ele não consegue pensar por conta própria, não conquista a liberdade criadora, pois, afinal de contas, está muito ocupado e, para se distrair, vê o telejornal da noite, novela das nove, (TCV ou TIVER). Ah, isso aumenta sua lucidez e melhora sua condição existencial de um modo extraordinário.
   


A Sociedade de Consumo, na realidade, é o melhor truque que o Estado moderno criou para escravizar o homem, em busca de ideais que chamamos de quiméricos. E por que são quiméricos? Porque nunca se alcançam, pois jamais estamos satisfeitos, pois é uma sociedade veloz. 
   


O ser humano não sabe mais dar o basta e somente quando aprender nascerá à possibilidade de se tornar realmente livre e realizar uma vida plena, do jeito que ele quer ou que pensa.
   


Uma comparação como passado, em torno do século 5 a.C. Ocorreu uma transformação no mundo grego que costumamos chamar de 'morte das sociedades mítico-eróticas'. Tem início o período clássico e, logo a seguir, o chamado mundo helenístico. Vale a pena um breve esclarecimento sobre essa transformação que trará enormes consequências para o modo de pensar e viver das sociedades e civilizações que se desenvolveram a partir desse ponto.
   


Em primeiro lugar, merece uma explicação o 'mítico-erótico'. As assim chamadas sociedades tinham como característica principal uma visão de mundo no qual o mítico ocupava um papel central, e isso queriam dizer que não havia separação rígida entre o real e o imaginário. Além disso, o mundo era visto como um lugar mágico e religioso, no qual o divino se encontrava em toda parte.
   


Os mitos tinham como função explicar e justificar, de um ponto de vista divino, a razão de ser de tudo que existe no mundo e, mais ainda, consolidar uma função cósmica em tudo; portanto aos homens era vetado intervir indistintamente na natureza e na vida, uma vez que isso seria considerado um desrespeito aos deuses. A consequência prática dessa visão é que o divino, estando presente em tudo, exigia respeito por parte do homem para todas as formas de existência.
   


Os mitos representavam uma força religiosa fundamental, para impor limites aos desvarios do homem e para dar-lhe uma consciência ética de que a vida foi feita para ser glorificada e respeitada. Já que somos mortais e nos alimentamos da morte alheia, é nosso dever minimizá-la. E de nada adiantará ser vegetariano: mata-se do mesmo jeito para se viver.
   


Já a questão erótica refere-se ao modo de vida no qual a paixão pela vida ocupava um primeiro lugar, sendo este o significado original da palavra 'erótico, tratava-se se uma visão na qual vida e paixão era uma e a mesma coisa, real significado de paixão, ou seja, uma glorificação da vida.   


A grande transformação que encontraremos a partir daí é que esses valores, e o modo de vida dessas civilizações (particularmente da Grécia antiga e do Egito), serão paulatinamente substituídos por uma 'paixão' desenfreada pela conquista de objetos e bens materiais, mesmo que isso custe vidas.
   


E o que tem a ver o Ócio Criador com toda essa transformação? Simplesmente as sociedades mítico-eróticas colocavam-no como uma das atividades fundamentais para a celebração da vida e sua consolidação. Claro que não estamos falando de um ócio com a conotação moderna de estar desocupado, ou mesmo de um lazer sem uma significação ou sentido especial. O Ócio Criador, praticado no período arcaico, tinha por finalidade ensinar os homens a imitar os deuses. Isso queria dizer que, se a característica fundamental dos deuses era a criação da vida, caberia aos homens imitá-los, encontrando meios (criações) para celebrá-la, consolidá-la e enriquecê-la. Vale notar, no entanto, que o ócio não estava voltado a qualquer criação, mas somente àquela que celebrasse a vida.
   



Como era de se prever, o Ócio Criador progressivamente desaparece, dando lugar àquilo que ficou conhecido no mundo romano como Negum Otio, que nada mais é do que a origem da palavra 'Negócio', e do modo de vida que ficou conhecido como 'Negociante'. Não se tratava mais de celebrar a vida, a natureza e a criação; havia nascido o homem que celebrava os negócios e dedicava toda a sua vida para eles. Em outras palavras, o objetivo não era mais viver com paixão e alegria, nascia o homem 'sério', que só se preocupava com negócios e conquistas materiais.
   



O fundamental para a formação dos jovens e para a prática do Ócio Criador era o aprimoramento da arte de ser verdadeiro, de ter a coragem de ser assim e assim revelar-se, procurando evoluir. 
   


L.F. Alves,
 Fortaleza – Brasil, Janeiro de 2010.
Comentarios (1)Add Comment
Consumismo e aprisionamento espiritual
escrito por Sebastião Madeira, Agosto 23, 2011
Muito bem dito. A sociedade perdeu a noção da valorização da vida. Nos tempos atuais somos chamados de mercado e os sentimentos de humanidade estão sendo sufocados.

Escreva seu Comentario
quote
bold
italicize
underline
strike
url
image
quote
quote
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley
Smiley

Copyright 2007. All Rights Reserved.
busy
 
 


Investir na Ilha do Fogo


Consulte aqui o seu email: nome@fogo.cv

entrar

Publicite aqui
Publicite aqui
Publicite aqui

copyright © 2017 Portal da Ilha do Fogo
Home